quinta-feira, 29 de setembro de 2011

First Piece - Romance

Finalmente vamos a nossa viagem em pedaços... I hope you enjoy it!

Mais de 24h de viagem - Saída: Florianópolis + duas escalas + 5h no fuso-horário = München!

Era umas 16h (11h no Brasil) da tarde de um dia com céu tão limpo e claro, que nem parecia azul, nenhuma nuvem pra contar historia e um clima acolhedor estava no ar. Não tivemos problemas nem com vistos, nem com bagagem e o Steinbach (pão) estava ileso! Nosso anfitrião, um amigo de juventude e afilhado de casamento do meu marido chegou logo após a gente no saguão do aeroporto: "rapaaaaa, que bom te ver!!" E assim pisamos oficialmente em solo alemão.

A casa desse amigo e sua família fofa (que já apareceu em fotos da viagem) foi nosso "QG" e fica em Fürstenfeldbruck, 30min de München - Sul da Alemanha, popular Bavária! Um dos antigos reinos que formaram a Alemanha. De lá nós conhecemos além de München(**), algumas cidadezinhas próximas: Priem & Chiemsse(**) - lago e castelos!; Füssen(**) - castelos!!; Rothenburg(*) - cidade medieval, não tão próxima: 2h30min de carro; e Salzburg(**) - 2h de carro e interior da Aústria - cidade lindíssima, refinada, berço de Mozart!

Mal chegamos e já fomos levados por adoráveis bicicletas (aqui) e sorrisos até o Biergarten mais próximo, confesso que no caminho pensei: "esperem um pouco gente, eu nem sei aonde estou", mas não deu tempo de dizer e eis que diante de nós, se abre um lindo mosteiro e no seu pátio interno estão várias mesas de piquenique acolhidas por um sol que já vai se por, emolduradas por um riacho, árvores de um verde novinho e linda tulipas! Quase não acreditei no cenário que vi... acrescente a isso, pessoas... vários grupos de pessoas alegres e falantes: famílias, casais, amigos... uns já estavam ali, outros chegavam, assim como nós nas suas bicicletas, todos deliciando-se com o clima e aproveitando o tempo juntos - era véspera de Páscoa. Não entendia uma vírgula de nada, eles também não entendiam bulhufas do que falávamos... mas naquele momento não importava, apenas fiquei tentando absorver e aproveitar... logo estava provando deliciosos tipos de queijo, patês, pães (tudo trazido de casa) e variados tipos de cerveja... dizendo para mim mesma: "É real! Não é cena de filme..." quase difícil de acreditar.

Nos próximos dias, tudo correu assim, da forma mágica que descrevi acima... fiquem tranquilos que não vou romancear a viagem inteira, mas daria um belo livro, rsrs.

No outro dia era Páscoa... ahh, mas a Páscoa eu preciso contar desse jeito... posso?? Hahaha. Acordamos às 7h e pouquinho (leia 2h) e fomos tomar café na igreja. Esqueci que íamos na igreja na Páscoa e não trouxe roupa pra esse evento especial... mas me virei com o que tinha e vamos lá. Fomos a pé, a igreja era ainda mais perto do que o mosteiro do dia anterior e esqueci de mencionar... mas parece que você está em uma cidade cenográfica... Toda certinha, limpa e arborizada. Chegando na igreja, fomos recebidos por aromas diversos de comidas quentinhas e ambiente todo decorado com fru-frus pascoais que trazem graça e leveza... sensação da casa da tia Karin, quando eu tinha 10 anos (meu primeiro contato com a cultura alemã) e vários alemães sorridentes e simpáticos... "Será que estou onde estou? Está tudo muito diferente do esperado". Depois de nos fartarmos com aquelas comidas de "rico", todos foram esperar o tempo passar no sol... no parque... crianças brincando e divertindo-se, adultos supervisionando e conversando... simples assim.

Marcha soldado, cabeça de papéu!
E aí, exatamente aí, o primeiro choque: marido foi "capturado" pelo amigo, me vejo sozinha cercada de pessoas e dou-me conta que realmente não entendo nada... nem sombra de alguma palavra que eu conheça...  Uma sensação horrível começa a tomar forma e não consigo impedir... Quero tanto entender, não consigo! Como que não consigo?! Primeira vez que estou em um país que não entendo nada... e nesse momento as pessoas ao meu redor não se importam com isso, crianças falam comigo e ninguém traduz... senti-me péssima, sensação de impotência... que precisou ser aliviada chorando escondido, no banheiro, como nos meus primeiros dias de intercâmbio nos EUA, mesma sensação... precisei aceitar a minha impotência, para que a mente funcionasse melhor. Vem o culto que é traduzido simultaneamente por nossa anfitriã, junto com ele, vem a calma e começo a fazer algumas conexões, pouquissímas, apenas o suficiente para aliviar a alma. Força Joice, é só o primeiro dia!

E o dia não acabou... aliás, nem almoçamos ainda, mas vou deixar isso para o próximo "pedaço" ;)

Grande abraço!

Ps. Me empolguei com minha "super" enquete que diz que meus leitores gostariam de relatos, hahahaha.
Ps1. As fotos ampliam.
Ps2. Cunha, eu tento escrever menos, mas não consigo...

Legenda:
** - super-indicações
* - indicações
!- cuidado

Um comentário:

Marina H.U. disse...

oiiee!
eu já tinha lido!
adorei a parte do piquenique! amooo! qm sabe um dia eu tb faça um num lugar assim tão massa!
beijos